quinta-feira, 29 de setembro de 2011

FOTOS tanamidiaac


TORNEIO  DE MOTO CROSS
EM
CRUZEIRO DO SUL 2011



JORNAL A TRIBUNA DO JURUA

Cruzeiro do Sul completa 107 anos de fundação acompanhe um pouco da história


Neste 28 de setembro, os cruzeirenses celebram 107 anos de história, aqui narradas em memórias marcantes dessa cidade tão querida e abençoada, intitulada “Terra dos Náuas”.
Cruzeiro do Sul está localizada a oeste do estado do Acre. A cidade é, atualmente, a segunda maior do Acre e a mais desenvolvida da Região do Juruá. É um dos mais importantes pólos turísticos e econômicos do Estado, cercada de construções e monumentos que simbolizam a história e a grandeza do seu povo.
Situada na fronteira com o Peru, à margem esquerda do Rio Juruá, Cruzeiro do Sul possui cerca de 80 mil habitantes, segundo dados do IBGE.  Suas origens remetem ao ano de 1904, a partir do Decreto de 12 de setembro, quando o Coronel do exército Brasileiro Nacional, Gregório Thaumaturgo de Azevedo instalou a sede provisória do departamento do Alto Juruá, no lugar de nome Invencível, na Voz do Rio Môa.
No entanto, como data oficial de fundação tem-se 28 de setembro de 1904, quando ocorreu da transferência da sede do departamento para as terras do ex-seringual centro Brasileiro, adquirido pelo Governo da União, do senhor Antônio Marques de Menezes, conhecido como “Pernambucano”. Localidade que em 31 de maio de 1906, foi elevada a categoria de sede da Prefeitura.
A cidade foi primitivamente povoada por povos indígenas divididos em vários grupos, entre eles os katuquinas, Náuas, Jamináuas, Caxináuas, entre outros. E posteriormente, em decorrência do desenvolvimento do extrativismo da borracha, inúmeros migrantes nordestinos, particularmente cearenses, chegaram à região. Além de estrangeiros de diversas nacionalidades que também se constituíram desbravadores e povoadores.
Plantada no Vale do Juruá, numa vasta terra firme, cortada por majestosas colinas que formam vales, berços de rios e lagos, a cidade de Cruzeiro do Sul começou a surgir. As residências, no início da colonização eram em sua maioria de madeira, passando anos depois a serem em alvenaria ou estrutura mista.
Nos anos de 1940, a cidade já possuía um conjunto representativo de casas que se estendia em todas as direções, formando ruas, avenidas e praças. Quanto à pavimentação das vias, o antigo 7º BEC teve importante contribuição. Assim como também na área da saúde, já que naquele período era escasso o sistema público de saúde na região do Juruá.
No campo educacional, a cidade dos Náuas sempre possuiu um ensino de qualidade e desde 1982, sediava cursos devido à criação do Núcleo da UFAC, transformado em Campus (1992), onde eram ministrados os cursos de Letras e Educação em regime superior. Hoje o campus já totalmente modificado está instalado em um novo endereço, mas os primeiros formandos ainda guardam na memória as impressões daquele tempo.
Quanto ao suporte administrativo da cidade, contou com os serviços públicos básicos e prédios que constituem o patrimônio histórico-cultural da região, tais como: a estação de porto e o colégio Santa Terezinha, em estilo colonial inglês, a Catedral Nossa Senhora da Glória com influência germânica e o Fórum em estilo neoclássico.
Mas a fase áurea da administração cruzeirense ocorreu, portanto, paralela ao desenvolvimento do extrativismo durante o 1º e 2º surto da borracha, porém com a crise deste produto, as dificuldades de acesso á região e de implementação de alternativas econômicas com sucesso, fizeram com que esta localidade até fins da década de 1960, passasse por grandes dificuldades. Porém, avaliando o contexto econômico cruzeirense, destaca-se sobre tudo ,o extrativismo da borracha ,com a primeira atividade econômica para os muitos seringueiros, que tinham na borracha a única fonte de renda.
Com o decorrer do tempo, o extrativismo foi seguido pela pesca, caça e a agricultura de subsistência, como alternativas econômicas utilizadas pela população da região. Destacando-se nesse seguimento a criação de animais por meio da pecuária.
Já na vida social, os cruzeirenses eram bastante animados. Havia festa de lazer, cívico- cultural, nos clubes “Juruá, “Ideal”, e “Samambaia”. E além dos eventos festivos, havia ainda a questão da religiosidade do povo, destacando-se o Novenário em honra à  Nossa Senhora da Glória.
A partir da década de 70, a cidade ainda jovem, começou a passar por um processo de crescimento populacional desordenado frente ao crescente êxodo rural. Com isso, inúmeros bairros começaram a surgir, fazendo de um pequeno vilarejo, uma bela e populosa cidade, que ao longo das décadas, propiciou um contínuo processo econômico e social, evidenciado em significativas mudanças no sistema de saúde, educação e até mesmo na administração pública.
Portanto, a “Princesinha do Juruá”, nossa querida Cruzeiro do Sul finalmente começa a tornar imponente para o Acre, não apenas por suas obras  majestosas já contruídas, mas ,acima de tudo, pela grandeza de um povo simples e hospitaleiro, que mesmo com marcas profundas de um vida sofrida ainda preserva no peito a certeza e um futuro ainda melhor.
Diante de tamanhos feitos, hoje nos cabe preservar na memória os grandes desbravadores desse pedacinho de terra abençoada em que vivemos, marcada por uma crescente mutação que promete ainda mais aventura, poder, alegria, crescimento e transformação do que nos cerca, mas ao mesmo tempo ameaça destruir o que temos, sabemos, e acima de tudo, o que somos e de onde viemos. Por isso, reafirmemos autotransformação pelo conhecimento de nossas raízes, afim de fortalecer nossa identidade amazônica,  e tipicamente “Juruaense”, tendo como compromisso primeiro, o chão onde nascemos é fundamental.
Hoje celebremos com euforia, tão importante data, e que “do trono dos seus esplendores, sobre nuvens bordados de azul, Deus semeie cascata de flores e abençoe Cruzeiro do Sul”.
Dayana Maia com informações de fontes de pesquisa

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

JORNAL A TRIBUNA


Começa nesta quinta programação comemorativa aos 107 anos de Cruzeiro

Durante uma semana, diversas atividades serão realizadas. Destaque para inauguração de ruas e da Unidade SESI/SENAI.

A abertura oficial das atividades será na quinta-feira (22), na Praça do Centro Cultural, às 8h30 com o hasteamento dos pavilhões. A cerimônia contará com a presença de alunos de várias escolas da cidade e a banda do 61° Batalhão de Infantaria de Selva, além de várias autoridades.
No dia 23, às 18h começa o Copão do Vale do Juruá, competição de futebol no Estádio Cruzeirão disputada por seis seleções dos municípios da região. Os jogos serão realizados diariamente até a final no dia 27.
No domingo (25) acontece o rodeio na fazenda do senhor Nascimento, localizada na Comunidade Pé da Terra, Rodovia AC-405, próximo ao município de Mâncio Lima. Às 15h do mesmo dia, a população poderá acompanhar mais uma competição esportiva com muita adrenalina e velocidade no desafio de MotoCross, na pista do Bairro Aeroporto Velho.
Na segunda-feira (26) a Prefeitura iniciará a inauguração de várias ruas que foram pavimentadas em Cruzeiro do Sul neste verão. Às 17h no Bairro Artur Maia, a administração municipal vai entregar as ruas Alfredo Teles e Solimões.
Às 18 horas também do dia 26, uma grande solenidade vai acontecer no Bairro da Várzea, para inauguração das Ruas Desembargador Távora, Pará e Beira Rio. O ato estará representando também a entrega de outros 24 trechos de ruas pavimentados nos bairros do Remanso, Conjunto Mâncio Lima, Formoso, Aeroporto Velho, Cohab, João Alves e 25 de Agosto.
Dia 27 às 20h, o Estádio Cruzeirão será o centro das atenções com a grande final do Copão do Vale do Juruá.
No dia 28 de setembro, data exata em que Cruzeiro do Sul completa 107 anos de fundação, será inaugurada às 9h da manhã, a Unidade Integrada SESI/SENAI. A construção erguida na área do antigo Gião com 11.200², lote doado pela Prefeitura, possui um amplo e moderno espaço com laboratórios em diversas áreas que promete ampliar a oferta de cursos de qualificação profissional, inserindo mil jovens por ano no mercado de trabalho.
“É sem dúvida uma das maiores conquistas da nossa cidade nos últimos anos. A Prefeitura está sendo parceira com a doação do terreno, asfaltamento da via de acesso e já planejamos com o apoio dos nossos vereadores, doar mais um lote, mesmo antes da unidade ser inaugurada já se pensa numa ampliação do prédio. Qualificação profissional sempre foi uma bandeira defendida pela nossa administração e por isso, não medimos esforços para apoiar. O retorno disso é nossos empresários e o próprio poder público encontrar mão de obra qualificada aqui, e não ter que contratar pessoas de outras cidades ou até mesmo de outros estados”, comenta Vagner Sales, prefeito de Cruzeiro do Sul.
A partir das 18h ainda do dia 28, acontece na Praça do Centro Cultural o tradicional desfile e apresentações de escolas, entidades e movimentos sociais acompanhado por diversas autoridades e milhares de pessoas. Em seguida serão realizados shows com bandas e cantores regionais.

JORNAL JURUA ONLAINE


Sucuri de mais de 16 metros assusta pescadores no rio Juruá



A cobra gigante teria aparecido durante a madrugada desta terça-feira, 20, em frente à cidade de Cruzeiro do Sul. A história, ou estória, é contada por um grupo de pescadores que estava em um barco ancorado quando a sucuri apareceu como uma bóia sobre as águas.
O primeiro a informar que viu o animal foi o presidente da Colônia de Pesca de Cruzeiro do Sul. Elenildo Nascimento disse que foi procurado pelos colegas durante a madrugada que ligaram assustados e o convidaram para testemunhar o caso.
“Era meia noite quando os pescadores me ligaram e eu fui conferir. Chegando lá vi um negócio espantoso. Uma cobra enorme que tinha lá. Ela fazia um banzeiro muito grande e onde ela estava à água do rio estava toda toldada. Realmente era uma sucuri” – assegurou Nascimento.
Elenildo afirmou que foi possível perceber visivelmente o tamanho no momento em que o monstro ficou do lado de um barco que estava ancorado. “O barco mede 16 metros, ela era muito maior” – garantiu.
Além do presidente, muitas pessoas afirmam que também tiveram a visão assustadora. “Ficou todo mundo com medo. A bicha era enorme. Mais ou menos da grossura de uma botija. Corria gente pra todo lado. Ave Maria!” – disse o pescador Antônio de Paula.
A notícia chamou a atenção de muitos curiosos que passaram a manhã inteira na beira do rio à espera de avistar o animal. Mas, durante o dia a cobra não apareceu novamente. As famílias que moram próximo ao local estão preocupadas e evitam em deixar as crianças se banharem na praia como faziam diariamente.
Mazinho Rogério

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

JORNAL A TRIBUNA

Expoacre Juruá se consolida como uma grande Feira de Negócios




A Expoacre Juruá 2011 marca o início de uma nova era. De uma tímida feira, basicamente de entretenimento, nas seis edições anteriores, ela deu um grande salto para se tornar a grande feira de negócios e lazer que a região do Juruá fazia por merecer, em razão do crescimento dos últimos tempos. A resposta econômica foi surpreendente: somente nos dois primeiros dias o volume de negócios superou o total realizado durante todo o evento no ano passado. A pesquisa, feita diariamente pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Pequenas e Médias Empresas (Sebrae), o principal parceiro do governo do Estado na realização da feira, indicou que na soma de todos os ramos de negócios o faturamento foi superior a R$ 7 milhões. 
“A feira aumentou de tamanho, mas, devido ao novo e amplo espaço, isso não transpareceu muito”, disse o gestor da feira pelo Sebrae, Jorge Mazer. Ele elogiou também a decisão do governo em trocar de local. “Na Avenida Mâncio Lima não tínhamos mais espaço. Esse local atual foi uma escolha feliz. As pessoas estão aqui participando, estão felizes, e isso é o que importa. Viemos para um local onde a feira pode crescer mais a cada ano.” Para Mazer, apurados os resultados finais, o faturamento da feira pode chegar a R$ 14 milhões. 
A Expoacre Juruá vinha sendo realizada nos últimos anos na Avenida Mâncio Lima, na região central da cidade. A decisão do governador Tião Viana de transferi-la para o estacionamento do Estádio Arena do Juruá teve aprovação popular. Na primeira noite (quinta-feira, 1º), dia em que aconteceu o show de Bruno (da dupla Bruno e Marrone), cerca de 40 mil pessoas se dirigiram ao local da feira. Com amplos locais de estacionamento, além das laterais da Estrada do Aeroporto (AC-405), foi possível abrigar os milhares de veículos de todo o Vale do Juruá, além de caravanas de outros municípios. No domingo, último dia da feira, uma cavalgada reuniu cerca de 50 cavaleiros e mais de 3 mil pessoas para um trajeto que saíra do centro e de vários pontos da cidade em direção ao Estádio Arena do Juruá. 
A segurança nos dias do evento foi marcante. Nas três primeiras noites a Polícia Militar fez apenas cinco conduções de pessoas para a área de triagem. O trânsito, apesar dos milhares de veículos que afluíram para a feira, funcionou a contento e não foram registrados acidentes com consequências graves. O rodeio atraiu muita gente. Os touros foram trazidos de Rio Branco, onde já  haviam participado da Expoacre. Muita diversão para a criançada, lanchonetes e restaurantes deram conta do recado e faturaram bem. 
O estande da piscicultura mostrando os investimentos do governo do Estado e o tanque com pirarucus fizeram sucesso. O estande da Secretaria de Pequenos Negócios valorizou pequenas iniciativas, como a produção de elos artesanais, sabonetes, artesanato regional, roupas e palhetas para barcos.             
O secretário Edvaldo Magalhães disse que tirava o chapéu para a decisão tomada pelo governador de mudar a feira de local: “Ele fez uma aposta alta, uma aposta que até  causou certo espanto e apreensão na comunidade. Não pode ser apenas uma feira de entretenimento, tem que ser uma feira dos negócios e do entretenimento. Mudou de endereço, fez aposta nesta infraestrutura. Nós estamos num lugar privilegiado, espaçoso, com segurança e capacidade de abrigar confortavelmente esse público”, disse. 

Convênios fortalecem a produção
Ficou bem arrumado o estande da Agricultura Familiar, com amostras do trabalho de três importantes secretarias: Secretaria de Indústria Comércio e Tecnologia (Sedict), Secretaria de Extensão Agroflorestal e Agricultura Familiar (Seaprof) e Secretaria de Agricultura e Pecuária (Seap) e da produção agrícola da região. 
Na noite de domingo aconteceram assinaturas de convênios do governo do Estado com associações de produtores, liberação de créditos do Pronaf, além de entrega de três tratores que ficam à disposição da Seaprof para o trabalho de mecanização agrícola e ainda uma camionete para os deslocamentos.   
Estiveram presentes ao, ato além do secretário Magalhães, da Sedict, o secretário Lourival Marques, da Seaprof, Franco Severiano, gerente da Seaprof, em Cruzeiro do Sul, o gerente do Banco da Amazônia em Cruzeiro do Sul, Raimundo Lopes, produtores rurais e presidentes de cooperativas e associações. 
Os convênios, liberação dos tratores e créditos do Pronaf envolveram recursos superiores a R$ 3 milhões. Um dos convênios tem como beneficiada a Sociedade Agrícola Nova Cintra, gestora de uma bem sucedida indústria sustentável de óleo de murmuru. No valor de R$ 444 mil, o convênio vai possibilitar a compra de um caminhão, recuperação de barcos e motores e ampliação da usina. O presidente da instituição, Roberto Guevara, conta que a produção de óleo de murmuru alcançou neste ano sete toneladas, toda ela já comercializada. 
Segundo disse, o convênio vai melhorar o desempenho da sociedade agrícola, especialmente no quesito de coleta do coco e armazenamento. Somente neste ano a sociedade adquiriu 4.500 sacas de coco murmuru na região ribeirinha que vai de Rodrigues Alves até as imediações de Porto Walter. 
O segundo convênio foi assinado com a Sociedade Agropecuária de Pequenos e Médios Criadores de Mâncio Lima, no qual são destinados recursos de R$ 430 mil (R$ 190 mil do Proacre e 240 mil do BNDES) para construção de um frigorífico de suínos. O presidente da Sociedade, Erison Maia de Macedo, assinou o documento. Ele explicou que a entidade já tem experiência no abate de bovinos, trabalhando com cerca de 300 criadores. Segundo disse, a entidade agora acredita que tem potencial para trabalhar com 200 criadores de suínos do Vale do Juruá. 
O presidente da Central de Cooperativas, Germano da Silva Gomes, assinou convênio no valor de R$ 440 mil para fortalecer a cadeia produtiva da farinha e do feijão. A central é formada por três cooperativas - a Camprucsul (Cooperativa Agrícola Mista dos Produtores Rurais de Cruzeiro do Sul), a Cooperfarinha, de Cruzeiro do Sul, e a Coopersonhos de Marechal Thaumaturgo. 
Outro convênio beneficiou a Associação Agroextrativista do Rio Tejo (Asatejo). Os recursos de R$ 202.750 servirão para adquirir 25 debulhadores de feijão e 60 kits para casas de farinha. A Seaprof, que está promovendo o serviço de destoca em várias propriedades rurais, recebeu três tratores para a mecanização agrícola. 
O Banco da Amazônia liberou no mesmo ato 21 créditos do Pronaf B, cujo valor é de R$ 2.500 e pode ser renovado até duas vezes. Segundo o gerente da instituição financeira, as comunidades atendidas foram a dos ramais Florianópolis, Mariana 1 e Alto Pentecostes. Ele deu outra informação que dá uma ideia da pujança da feira: em dois dias as propostas já fechadas para financiamento de carros, utilitários, barcos e material para supermercados superaram R$ 800 mil, podendo alcançar os R$ 2 milhões no final do apurado.

(FOTO: Expoacre Juruá (2))
LEGENDA A Expoacre Juruá 2011 marca o início de uma nova era. De uma tímida feira, basicamente de entretenimento, nas seis edições anteriores, ela deu um grande salto para se tornar a grande feira de negócios e lazer que a região do Juruá

CAMPEÃO CRUZEIRENSE 2011


sábado, 3 de setembro de 2011

EXPO JURUA







EXPO JURUA 2011



CZS


EXPO JURUA 2011



EXPO JURUA 2011



EXPO JURUA 2011


EXPO JURUA 2011


EXPO JURUA 2011



PIRARUCU